Notícias!!

segunda-feira, junho 05, 2006

Ombro doloroso-Mini rewiew.


FIGURA.1-SEQÜÊNCIA DE LESÃO DO MANGUITO ROTADOR
.

Conceito

Ombro doloroso é uma síndrome caracterizada por dor e impotência funcional de graus variados, que acomete estruturas responsáveis pela movimentação do ombro, incluindo as articulações, tendões e músculos, ligamentos e bursas.
A estes sintomas se agregam àqueles que caracterizam transtornos ou afecções locais ou a distância de implicações etiopatogênicas no aparecimento da síndrome.

FIG.2- abaixo a anatomia para localizar a lesão.












CAUSAS
A freqüência aproximada das causas de ombro doloroso é a seguinte:
. tendinopatias , bursites subdeltoidiana ou subacromial com ou sem depósito calcário - 80%;
· Miofibrosites - 8%;(dores miofaciais)
· Artrites do ombro - 5%;
· Outros - 7%.
Em relação às causas tendinopatias e bursite subdeltoidiana ou subacromial temos:
· Atividade excessiva;
· Hiperabdução prolongada;
· Luxação acrômio-clavicular;
· Fratura do troquiter;
· Irritação por osteófitos;
. Anomalias anatômicas: acrômio curvo.
· Aderência - pacientes crônicos em leito;
· Alterações - inflamações no manguito músculo tendinoso integrado.
-alterações posturais, tais como hipercifose=alteram o rítimo escápulo -umeral, causando impacto precoce , ou seja
choque dos tendões no arco duro do ombro.
-traumas esportivos

Diagnóstico/

O exame de diagnóstico mais utilizado são os clínicos, realizados por ortopedistas, fisioterapêutas, Reumatologistas, são exames com testes provocativos muito fidedígnos,dentre os exames mais realizados estão os testes de : Howkins/Neers, arco doloroso, Palm up, Obreian, Gerber, isométricos , relocation, yergason e outros, os exames imagionológicos são impotantes para evidenciar a extensão das lesões, os exames de imagem mais realizados são o Ultrasom, que é mais barato, indolor, as dificuldades deste exames estão diretamente relacionada para a habilidades de quem faz o exame, então é um exame muito dependente do examinados, já a RMN resssonãncia, é um exame exelente, depende muito do equipamento e o do examinador (médico do diagnóstico de imagem), é um exame caro, geralmente os planos de saúde sempre colocam algum tipo de empecilho para a realização do mesmo.
abaixo exames de imagens em seqüência.
RX -mais utilizado.fig3
Bursografia-em desuso.fig3
Ressonância magnética.fig.3
ultrasom e ressonãncia.fig.4
fig.3













fig.4







Classificação das Lesões.


Podemos dividir didaticamente o ombro doloroso em várias síndromes diferentes, entre elas se destacam:
· Síndrome do impacto;
· Tendinite bicipital;
· Tendinite calcárea;
· Capsulite adesiva;
· Artropatias;
· Originada em outros locais;ex: sindrome dolorosa miofacial.
· Extrínsecas (neurites braquial, tumor Pancoast, síndrome ombro-mão, neoplasias, metástases, diabetes mellitus, hipo-hipertiroidismo, anquiloidoses).
1. Síndrome do impacto
fig.5 relação das estruturas do ombro na abdução.















É uma síndrome dolorosa do ombro acompanhada por alteração na mobilidade local, sendo caracterizada por uma tendinite, geralmente, do tendão do supra-espinhoso e bursa subacromial, com lesão parcial ou total deste ou de outros tendões.

Ocorre com maior freqüência acima dos 40 anos de idade, com predominância da etiologia traumática.
Sabe-se que o impacto causando atrito e posterior degeneração ocorre durante a elevação anterior do braço, ocorrendo contra superfície inferior do acrômio.
Alguns autores descrevem três fases clínicas:
- Fase I: abaixo dos 25 anos, ocorrendo dor aguda após esforço prolongado. Nesta fase há edema e hemorragia em nível de bursas e tendões;
- Fase II: entre 25 e 40 anos de idade e já começa fibrose e espessamento da bursa subacromial, além da tendinite. Paciente queixa de dor noturna e após atividades. Pode ocorrer ruptura parcial do manguito rotador;
- Fase III: acima dos 40 anos. Paciente apresenta dor contínua com perda da força de mobilização devido à ruptura completa de um ou vários tendões.
2. Tendinite bicipital

Caracteriza-se por envolvimento do tendão da porção longa do bíceps branquial com ruptura em alguns casos. É muito comum sua associação com a tendinite do manguito rotador.
3. Tendinite calcárea

Diagnosticada pela radiografia simples, é mais comum no tendão do supra-espinhoso, ocorrendo com mais freqüência no sexo feminino.
A tendinite calcárea aguda pode apresentar-se de forma mais agressiva com muita dor, limitação da mobilização ativa e passiva do ombro e, ocasionalmente, eritema no local.
4. Capsulite adesiva

Capsulite adesiva pode ser definida como uma condição de etiologia desconhecida caracterizada por uma restrição dolorosa global da movimentação da articulação gleno-umeral em todos os planos, tanto ativa quanto passiva. Existem condições associadas, como diabetes, tireoidopatias, doença cardíaca e pulmonar, que classificam a capsulite como secundária.
Tratamento para casos não cirurgicos.
O tratamento básico se compõe de:
· Repouso na fase aguda;
· Antiinflamatórios não esteróides;
· Fisioterapia: crioterapia, tens,corrente interferencial, micro ondas, ultra-som, ondas curtas , exercícios e outros;diminuição do impacto atavés de fortalecimento do manguito rotador se for o caso em pacientes que não tem muito comprometimento na qualidade dos tendões.indicação de 2 a 12 semanas de reabilitação, se não houver melhora considerável a indicação torna-se cirurgica.
· Infiltração com corticosteróides;mais indicados em paciente sedentários que não praticam esportes
de membro superior, há risco de degeneração tendinosa e fraquesa do tendão, nunca infiltrar em atletas,
deve ser analidado caso a caso.
· Cirurgia: após seis meses de tratamento conservador e rupturas dos tendões.
(artroscopia com reparo do manguito rotador . É uma cirurgia menos invasiva, onde não há cortes de pele ou músculo, apenas pequenas incisões).

Tratamento para casos cirúrgicos c/ reparo de manguito rotador.



  • Repouso inicial com tipóia-tipóia em abdução preferencialmente.
  • modalidades antiinflamatórias-gelo, compressas quentes úmidas (após 72 horas, antes disto só gelo)
  • fisioterapia com mobilização passiva progressiva com graus pré estabelecidos pelo cirurgião.
  • geralmente flexão até 70º/ rotação externa 15º/ abdução 45º/- evitamos a extensão(perigo de deiscencia de sutura) , sugiro não fazê-lo até a 6 semanas- progredir lentamente, intensificar ativos livres gradualmente.
  • intensificar ganho de ADM gradativamente.
  • Ativar grupo deltóide.
  • iniciar fortalecimento de manguito rotador de forma gradual e indolor.
clique em cirurgia de manguito rotador, e veja fotos da cirurgia.
vídeos de alguns exercícios clique em ombro doloroso-2ª parte..
  • prognóstico para alta em torno de 12 a 16 semanas de pós -operatório.

10 comentários:

Cinthia disse...

A lesao do tendao proximal do biceps braquial cabeça longa tambem é uma patologia de ombro muito importante.
O seu site nao fala nada.Isso é preconceito ou o que???
Ou por acaso voce esta esperando alguem da sua familia ter essa patologia para que voce possa colocar sobre ela aqui.
Fala serio hein.

juliana disse...

Olá...ao contrário do comentário acima.
Acabei de chegar do ortopedista que me disse exatamente o que estava escrito neste texto, que me ajudou muito na hora da consulta....

Muito bom!"

Anônimo disse...

Oi, eu tenho tendinite álcária no ombro esquerdo, já fiz 30 seções de fisioterapia, tomei vários antiinflamtaórios e não vi resultados, queria saber se há algum tratamento que possa me ajudar a ficar curado, a cirurgia tem uma recuperação rapida? serafim_luciano@hotmail.com

ucanlearn disse...

Passei por acaso neste blog ao pesquisar sobre tendinite. O que me chamou mais a atenção foi o comentário pequeno da Sra. Chintia. Imagino que seja da área médica também, pela especificidade da interação. Pena que embora perspicaz seja tão mal educada. Há diversas maneiras de se dizer o que pensa sem ofender ou parecer mesquinha. Sou uma simples professora da Rede pública, não entendo nada de medicina, mas entendo de educação.

Roseli Bueno da Silva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Roseli Bueno da Silva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Roseli Bueno da Silva disse...

Passei por acaso neste blog ao pesquisar sobre tendinite. O que me chamou mais a atenção foi o comentário pequeno da Sra. Cinthia. Imagino que seja da área médica também, pela especificidade da interação. Pena que embora perspicaz seja tão mal educada. Há diversas maneiras de se dizer o que pensa sem ofender ou parecer mesquinha. Não sou da área de medicina, sou professora da Rede pública, não entendo nada de medicina, mas entendo de educação.

Maria disse...

diagnóstico após queda: fratura no torquiter. qual o tratamento maismoderno disponível? meu e-mail. mariadias00@gmail.co
grata.
maria dias

Danilo disse...

Bom Dia,
Gostaria de saber as etapas de um tratamento de fisioterapia, por exemplo, tipos de exercícios, o porque dos exercícios. POis em todas as clinicas disponiveis pelo convenio só realizam choquinho e Luz vermelha e gelo.
Sem mais

Anônimo disse...

Olá,
Tenho ruptura parcial de supra-espinhal, por jogar 10 anos handball. Isto faz uns 22 anos e sinto fortes dores no ombro direito na altura do trapézio, extendida a ponta do ombro. A falta de um aquecimento perfeito, quando jogava pode ter me levado a esta situação? Ontem fui ao médico e disse a ele que no início dos anos 2000, fiz uma ultrasonografia e a lesão foi constatada, RUPTURA PARCIAL DE SUPRA ESPINHAL . Hoje fui realizar, por solicitação médico, uma Ressonância Magnética, mas, a máquina é muito apertada e me deu fobia, acabei não realizando o exame. Vou procurar um hospital com uma máquina com um arco maior, que não gere esta fobia, pois o espaço da máquina de hoje fica a apenas, uns 5cm do meu rosto. Qual poderá ser o meu quadro, caso não realize os procedimentos médicos solicitados, romper totalmente o tendão se continuar praticando ações como levantar peso, ir a acadêmia malhar, jogar voley, etc?
Boa sorte a todos!