Notícias!!

sexta-feira, setembro 29, 2006

Síndrome do desfiladeiro Torácico.






Anatomia Aplicada

É caracterizado pela compressão anormal do plexo braquial, artéria e veia subclávia, quando estas estruturas passam pelo canal estreito torácico formado pela clavícula, primeira costela torácica, músculos escalenos anterior e médio e músculo peitoral.

Diagnóstico

A maioria dos sintomas é de ordem neurológica em torno de 90% e sintomas vasculares são em torno de 10% dos casos. As queixas mais comuns são dor em todo o membro superior acometido, de característica migratória, ora de localiza na cintura escapular, ora se localisa na face lateral do braço, ora no antebraço e mão, são quadros intermitentes, não relacionados com atividade e repouso, geralmento o nervo ulnar é o mais acometido devido este ser mais distal sendo o primeiro a sofre compressão, já os sintomas vasculares são edema de membro superior, claudicação durantes esforços e perda do pulso radial. Sintomas de formigamento e parestesia poderão serem sentidos no dedo mínimo e anular, geralmente há presença de " trigger points" na dor miofacial, na região periescapular.Testes diagnóstico são conhecidos como teste de Ross, Adson e Wright.

Tratamento
Antiinflamatórios não hormonais para controle da dor.

Fisioterapia clássica com retencionamento dos músculos da cintura escapular.

Terapia manual para desativação dos pontos gatilhos dolorosos, manobra de thrust para primeira costela geralmente mais elevada e hipofuncionante, thrust para T4 para inibir descarga simpática, alongamento de peitoral, alongamento de escalenos, dinamizar o tratamento com o retencionamento da cintura escapular com exercícios de elevação de ombros, fortalecimentos de músculos cervicais posteriores e elevadores de escápula, trapézio superior, que devem ser realizados na clínica sob orientação do fisioterapêuta e encorajar o paciente a realizá-lo em casa.

Tratamento cirúrgico

Está reservado para minoria dos casos em torno de 10 a 15%, com rececção da primeira costela, onde há muita recidivas dos sintomas, onde leva a muitos cirurgiões insistirem com o tratamento conservador fisioterapêutico.

Opinião: geralmente o tratamento conservardor tráz ótimos resultados, e é claro deve ser a primeira linha de condulta.

6 comentários:

Livia disse...

Ola Ricardo!
Meu nome e Livia e eu possuo a Sindrome do desfiladeiro Toracico. No meu caso a sindrome e bilateral, porem em maio desse ano eu tive Trombose no braco direito. Agora estou tomando anti coagulantes e aguardando para resolver qual o melhor tratamento (se necessario cirurgia ou nao). Estou procurando outros tipos de tratamento para evitar a cirurgia, e gostaria de saber se vc saberia me indicar algum profissional de fisioterapia com experiencia nessa sindrome aqui em Sao Paulo, onde moro atualmente. Obrigada antecipadamente, Livia (email: liviazapletal@hotmail.com

Anônimo disse...

Ola Ricardo minha exposa tem SDT como a Livia só não tem trombose, mas tirou a primeira costela e fez simpatectomia para aliviar as dores sem sucesso,Existe algumtipo de tratamento eficaz,pois ela esta tomando dimorf,dolantina faz bloqueio no glanglio estrelado para alivia as dores.Por favor me ajudem.imail:rudycabeleireiros@terra.com.br

Ricardo Sena disse...

Ao Anônimo( Rudy), Esposa com SDT.

É muito comum após a retirada da primeira costela o quadro piorar em alguns pacientes, isto se deve ao fato de neste local ser muito propício a formação de fibrose, pois é uma área delicada e com uma rica trama vascular.
O dimorf e dolantina são medicamentos morfínicos e são indicados para controlar a dor, só tem um problema o paciente sempre pede esta medicação para aliviar a dor, o que pode trazer algum desconforto para familiares e médicos, pois cria uma afliação para as pessoas que cercam a paciente . A infiltração do gânglio estrelado é uma boa condulta assim como a simpatectomia, talves a paciente esteja já num quadro de distrofia simpático reflexa, para estes casos o uso de Corticosteróide (dexametasona) IM e carbamazepina ( VO)podem ajudar a combater a Neurite.A mesma deve fazer uma Fisioterapia Manual com massagem a manipulação cervical , torácica e alongamentos estas manobras diminuem a descarga simpática segmentar e provocam relaxamento muscular aliviando a dor, promovendo assim que diminuem com o tempo o uso de medicamento, a princípio parecerá agrescivo, mas melhora o quadro doloroso gradativamente , a massagem pode ser vigorosa dentro dos níveis terapêuticos suportáveis pela pacientes, com o objetivo de relaxamento muscular e desativação de pontos gatilhos muito comuns nestes casos. Tive uma paciente que teve que refazer a cirurgia.Bom, trata-se de uma situação complexa, que traz muito sofrimento para a paciente, diminuindo a qualidade de vida. Em casos mais extremos são executados procedimentos como a Rizotomia posterior e Cingulotomia (cirurgia cerebral), tive uma paciente que precisou desta última cirurgia teve um bom resultado após um ano, até então fomos realizando a Fisioterapia Manual, manipulação espinhal, termoterapia ( uso de compressas quentes local) massagem vigorosa e desativação de pontos gatilhos, Hoje a paciente está bem sem nenhum problema, mas é um caso e não é estatisticamente confiável o resultado. Bom Rudy era isto espero que consiga melhorar o quadro de sua esposa, não desanime e não se precipitem em procedimento cirurgicos, tente ao máximo o tratamento conservador, tivemos vários casos de desfiladeiro que melhoraram com os ajustes quiropráxicos.
Como neste link abaixo seguimos um protocolo de tratamento que tem dados certo na maioria dos casos.
Boa sorte!!! qualquer coisa mantenha-me informado.
http://fisioricardosena.blogspot.com/2010/05/sindrome-do-desfiladeiro-cervico.html
Ricardo Sena
Quiropraxia e Terapia Manual

www.cursodequiropraxia.com.br
www.fisioricardosena.blogspot.com



----- Original Message -----
From: Anônimo
To: ricsena@visaonet.com.br
Sent: Monday, June 28, 2010 3:20 PM
Subject: [FISIOSENA E A DOR NAS COSTAS] Novo comentário em Síndrome do desfiladeiro Torácico..


Anônimo deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Síndrome do desfiladeiro Torácico.":

Ola Ricardo minha exposa tem SDT como a Livia só não tem trombose, mas tirou a primeira costela e fez simpatectomia para aliviar as dores sem sucesso,Existe algumtipo de tratamento eficaz,pois ela esta tomando dimorf,dolantina faz bloqueio no glanglio estrelado para alivia as dores.Por favor me ajudem.imail:rudycabeleireiros@terra.com.br

my disse...

ola meu nome e cina e tenho SDT bilateral, ja fiz cirurgia em 2003 e de uns 3anos para ca voltei a ter sintomas como dormencia no braços durante a noite, a conduzir e no pescoço alem de dores nas costas... a minha duvida é se devo recurer a fisioterapia ao fazer cirurgia novamente.. foi me proposto nova cirurgia...obrigada pela atençao

Maurilla Emilia Moura Rodrigues disse...

Meu nome é Maurilla, tenho todos os sintomas da Sindrome do desfiladeiro torácico, mas estou tratando como sindrome do túnel do Carpo, só que no exame não apresenta a síndrome do Carpo e o médico me disse que seria apenas por trabalho(DORT). Quando li esse artigo fiquei na dúvida, será que não seria a sindrome do desfiladeiro torácico. que exames posso pedir ao meu médico para fazer esse diagnóstico.

Ailton Britto disse...

oi ricardo!
meu nome e ailton e possuo esta terrivel doença,eu trabalho em uma empresa e sofri um acidente que perdi o dedo indicador com avulsao de tendao,e depois que me recuperei comecei a sentir dores e formigamento e quando fui fazendo exames descobrique tudo isso causou SDT!!!!sera que foi por causa do acidente?